Por: Alexandre Ricardo/CoralNET

Poucas horas separam o Santa Cruz de dar o pontapé inicial na luta pelo acesso à segunda divisão do campeonato brasileiro. Depois de duas semanas de prepação, o técnico Júnior Rocha analisou a forma como sua equipe inicia a competição, projetando os desafios dos próximos meses.

Há cinco anos, o Mais Querido disputava a Série C e depois de garantir a classificação, chegou ao título da competição. Pelo caminho, enfrentou o Luverdense/MT do atual treinador coral, que relembrou o fato ao abordar a responsabilidade que o clube das três cores tem a partir de agora.

Depois de garantir o acesso com o Luverdense, perdemos os dois jogos da semifinal para o Santa Cruz, que foi campeão. Esse peso é relevante saber, porque existe o respeito quando essa camisa entra em campo. Esperamos repetir o sucesso de anos atrás “, falou Júnior Rocha.

Pela frente, logo na primeira rodada, está o campeão pernambucano Náutico do outro lado. Realizando um comparativo entre as equipes, o comandante tricolor espera um grande jogo na Arena de Pernambuco.

Nosso objetivo é ir lá e garantir os três pontos. Mas existe o respeito que um jogo como esse pede. É um clássico, com chances mínimas de erro. As duas equipes têm um plantel mais ou menos definido. O Náutico está com confiança em alta, bastante competitivo. Mas nós também adquirimos uma evolução, principalmente com os resultados na Copa do Nordeste “, opinou.

CARACTERÍSTICA
Desde o início do ano, venho implantando esta filosofia de um jogo mais trabalhado, com superioridade numérica. Claro que tive de adaptar, a confiança não estava em alta e isso acaba colaborando. Mas são minhas ideias de futebol e confio muito nelas “.

PREPARAÇÃO
Depois do jogo contra o Confiança, demos folga ao elenco e tivemos tempo para aperfeiçoar muitas situações. Todo treinador gosta de ter esse período e comigo não é diferente. Temos hoje uma equipe preparada, ideal. Jogadores vão disputando espaço e essa competitividade interna é importante “.

ATAQUE
No nosso modelo de jogo, ter um camisa 9 é indispensável. Desde o início, estamos sofrendo quando a bola não permanece na frente. Temos dois atacantes de beiradas em evolução, o Robinho e o Fabinho Alves que é mais experiente, com boa leitura ofensiva. Ainda tem o Augusto, dando uma boa dor de cabeça. Agora, com o Robert, atendemos nossa necessidade “.

WA:

Provável escalação para o clássico: Tiago Machowski; Vítor, Danny Morais, Augusto Silva e Henrique Ávila; Leandro Salino, Luiz Otávio e Geovani; Fabinho Alves, Robinho e Robert.