PELO BLOG DE JJ

O Sport irá enfrentar na tarde de hoje na Ilha do Retiro, o São Paulo, líder do Brasileirinho, com apenas 22% de chances de uma vitória, o que é bem obvio por conta da sua péssima campanha, e a excelente do adversário. Todos os ingressos que foram colocados à disposição da equipe paulista se esgotaram.

Mais uma vez a cabeça de Claudinei Oliveira estará à premio, como é normal em nosso futebol onde o técnico é sempre o culpado.

O tricolor do bairro do Morumbi está na 1ª colocação, com 35 pontos, 10 vitórias, 5 empates e 2 derrotas, aproveitamento de 69%.

Enquanto isso, o rubro-negro da Ilha é o 13º colocado, 20 pontos, 5 vitórias, 5 empates, 7 derrotas, aproveitamento de 39%.

Nos últimos 5 jogos, o Sport somou 1 ponto entre os 15 disputados ( 6,6%), enquanto o São Paulo obteve 12 pontos (80%).

Com relação as ultimas 10 rodadas, o time da Ilha do Retiro totalizou 9 pontos dos 30 disputados (30%), e a equipe paulista somou 22 (73,3).

Como mandante o Sport em 8 jogos conquistou 16 pontos (54,1%), e o São Paulo obteve 15 em 9 jogos como visitante (55%).

Os dados traduzem a diferença técnica dos dois clubes, e dão um favoritismo total ao time paulista. No momento esse tem 49% de chances para a conquista do título, e o adversário com os mesmos 49% para o rebaixamento.

Uma montanha que o Sport terá que ultrapassar.

– O PRIMEIRO LUGAR DO NÁUTICO

* A metamorfose do Náutico deve ser bem estudada pelos analistas do futebol.

O time passou um longo tempo no inferno, e como em um passe de mágica deu uma reviravolta, conseguindo alcançar o paraíso, e na liderança do seu grupo. Derrubou todos os prognósticos.

Jogou ontem contra o Remo no Mangueirão, em Belém, e saiu com um empate de 1×1, poupando alguns jogadores. O time paraense saiu à frente e o alvirrubro empatou. O futebol que foi jogado não tem muito a se comentar.

No Arruda o Santa Cruz sofreu para vencer o rebaixado Salgueiro pelo placar de 1×0, numa pelada das antigas várzeas. Por conta dessa vitória ficou em terceiro lugar do grupo, desde que o Atlético Acreano resolveu ressuscitar no final de jogo contra o ABC, mesmo com 10 jogadores, obtendo no seu final o único gol que garantiu-lhe a segunda colocação.

Em João Pessoa, o Botafogo-PB deu um vexame ao empatar com o rebaixado Juazeirense por 2×2, com um jogo equilibrado e o placar justo. Mesmo assim garantiu a 4ª colocação.

O Confiança que ainda sonhava com uma classificação entre os quatro melhores, mesmo jogando em casa, não passou do 0x0 contra o Globo, o rei dos empates, que escapou da degola.

Na fase de mata-mata o Náutico irá enfrentar o Bragantino, 4º lugar da Grupo B, com boas chances de sucesso desde que joga a segunda partida em casa.

O Santa Cruz terá uma pedreira pela frente, jogando a segunda partida longe do Arruda contra o Operário Ferroviário de Ponta Grossa, Paraná, melhor time da competição, embora tenha chegado em segundo lugar do grupo com a mesma pontuação do primeiro.

Perdeu o seu último jogo contra o Luverdense por 1×0, com um time alternativo.

O Botafogo-PB terá uma montanha pela frente, o Botafogo-SP, que certamente sairá das duas disputas com o acesso garantido.

O Atlético Acreano que foi a novidade no começo da competição, irá enfrentar o Cuiabá, um adversário que fez uma boa campanha em seu grupo, terminando com 32 pontos.

Terá muitas dificuldades para supera-lo, a não ser que retorne aos seus bons momentos.

– O CARNEIRÃO EM ESTADO DE MISÉRIA

* A Primeira Divisão do futebol pernambucano não é grande coisa, e a Segunda é de se ter piedade.

A maioria dos estádios que irão abrigar os seus jogos não tem a menor condição de sediar um torneio profissional. São precários.

Ontem o atento jornalista Claudemir Gomes nos remeteu uma foto do estádio Carneirão, em Vitória de Santo Antão, que na realidade nos chocou.

Anos atrás acompanhamos os melhoramentos que foram feitos no local, que o deixaram com boas condições para abrigar os clubes da cidade em jogos oficiais.

Um espaço com boa capacidade de publico, o segundo maior do interior, com bons vestiários, sanitários, tudo que era exigido nas vistorias realizadas.

Oito anos após nos deparamos com o abandono, cercado por um matagal, que impediu a presença do Vera Cruz de jogar em sua cidade, e por conta disso irá utilizar o Gonzagão, em Feira Nova, que também é precário, mas pelo menos bem cuidado.

Sabemos que a situação da cidade de Vitória do Santo Antão não é fácil, como as demais, mas deixar um bom estádio, palco de boas jornadas que consagraram a cidade, no estado em que se encontra é lamentável.

Por conta disso é que o nosso futebol agoniza.