Prezado Wellington,

Agradeço antecipadamente a publicação do texto abaixo.

A lógica e os Critérios: Onde foram parar?!
Existem verdades fáticas que devem ser sempre repetidas: Arnaldo Barros comandou a pior gestão da história do Sport e Milton Bivar é CAMPEONÍSSIMO!
Isto posto, dentro de uma narrativa cronológica, apontamos os seguintes fatos:

  1. Milton Mendes, ex-treinador, que teve um desempenho quase milagroso, que quase nos salva do rebaixamento, que montou um time organizado taticamente e que começou uma transição com a base muito elogiável, foi procurado por dirigente da atual gestão, ainda antes da eleição, mas tudo já estava definido para a vinda de Milton Cruz, então não se abriu nem negociação, ou seja, a busca por Mendes foi mais um “aceno falso” à torcida que, em sua maioria, queria a manutenção do ex-treinador;
  2. O cenário caótico e obscuro que foi encontrado no clube não permitia e não permite que a atual diretoria saiba o tamanho do problema ainda hoje, principalmente financeiro, pois praticamente todo dia aparece uma novidade ruim nessa seara, necessitando inclusive de uma auditoria externa, isto dito pela gestão atual. O que a princípio não permitiria maiores investimentos em contratações e sim um maior aproveitamento da base, eis que se contrata quase duas dezenas de jogadores, o que contraria a lógica financeira do clube e que com as regularizações desses contratados inibirá e comprometerá certamente o bom aproveitamento da base leonina;
  3. O trabalho de base já dá sinais de comprometimento ao momento em que foram devolvidos a base jogadores valorosos e que vinham sendo lapidados pelo ex-treinador M. Mendes, tais como Elias, Marlon, Charleston, etc.;

O que percebo é que esse ínicio de trabalho se mostra confuso, desprovido de critério em algumas searas e o discurso de aproveitamento da base se mostra falho, vazio e sem sustentação fática.
Na minha opinião,  as contratações deveriam ter sido mínimas, no máximo uns 7 (sete) jogadores, criando apenas uma espinha dorsal com jogadores mais experientes e, nesse primeiro quadrimestre, colocar os meninos pra jogar, sejam de titulares ou de primeira alternativa de banco, e assim conseguir garimpar alguns que se tornem realidades ao fim desse período, para que ai se fizesse novas contratações pontuais para a série B. Desta forma, não se gastaria sem saber ainda o que se pode gastar, bem como valorizaríamos de uma melhor maneira nosso patrimônio, que é a base.
Existem ações já tomadas que não tem como se retroceder, então agora é rezar, torcer e fiscalizar, embora, com toda devastação impetrada pela antiga gestão, eu acredito que esse início de nova direção poderia e deveria ter sido melhor e com escolhas mais lógicas e criteriosas.
PELO SPORT TUDO!

Felipe Rodrigues, Sócio Patrimonial Adimplente do SPORT CLUB DO RECIFE

Espaço torcedor – welaraujo2@hotmail.com