Após três anos, o treinador Gilmar Dal Pozzo volta ao Náutico. A diretoria confirmou o retorno do técnico, que desembarca no Recife ainda nesta terça (14).

Resultado de imagem para Gilmar Dal Pozzo Náutico

O treinador chega para treinar o Timbu ao lado do auxiliar Luciano Borges, o Lucianinho.

Muito feliz de voltar ao Náutico. Comandar um clube de expressão e de tradição do futebol brasileiro só me dá alegria e orgulho. Fiquei um tempo parado fazendo cursos e me atualizando, e estou muito motivado para dar continuidade ao trabalho do clube no ano. Já na quarta, temos uma decisão importante”, afirmou o treinador.

Na primeira passagem pelo clube, entre setembro de 2015 e abril de 2016, Dal Pozzo comandou a equipe em 28 partidas, entre Série B, Campeonato Pernambucano e Copa do Brasil. No Brasileirão, foi um dos responsáveis pela arrancada do Timbu, que terminou na quinta posição da competição.

Realmente essa boa campanha na primeira passagem, o quase acesso de 2015, me motivou a voltar. Tive uma identificação com a torcida e com a diretoria. Mas o fator mais determinante foi poder comandar o Náutico nos Aflitos, a nossa casa. Por várias vezes fui jogar lá como atleta e sei como é difícil. Temos que tirar proveito disso, fazer um bom trabalho e conseguir os objetivos”, disse.

Além do anúncio do novo treinador, a diretoria também falou do trabalho de Dal Pozzo, que tem o perfil como treinador alinhado com a filosofia implementada pelo clube nos últimos anos. “Chegamos ao consenso de que Gilmar tem a capacidade de dar continuidade ao projeto. É preciso que o nível de comando se mantenha. Não vamos voltar à estaca zero. Tive a felicidade de trazê-lo em 2015, quando fizemos uma campanha de recuperação na Série B. Gilmar sempre me falou que gostaria de ter a oportunidade de cobrir aquela frustração. Que venha esse ano”, afirmou o vice-presidente Diógenes Braga.

CARREIRA
Antes de ser treinador, Gilmar atuou quase 20 anos como goleiro. Passou por equipes tradicionais do futebol brasileiro, como Avaí, Goiás e Santa Cruz. Como técnico, além da primeira passagem no Náutico, conseguiu o acesso para a elite do futebol brasileiro com a Chapecoense, em 2012, e treinou também ABC, Criciúma e Ceará. A última equipe foi o Brasil de Pelotas, em 2018, na Série B.

Diego Toscano / Comunicação CNC