TEMA LIVRE

Perguntas, Dúvidas…

Chorando pelo leite derramado!

PELO BLOG DE JJ

Entra ano e sai ano e a choradeira no futebol brasileiro continua, e agora contando com a presença de várias carpideiras profissionais para chorarem pelo leite derramado.

Mais uma vez as reclamações dos dirigentes, treinadores e afins sobre a convocação da seleção do Circo para amistosos mequetrefes, levando jogadores que estão atuando no Brasileirinho que não irá parar.

Choros e reclamações nada resolvem, desde que a atitude deveria ser tomada há muitos anos não aconteceu, com relação ao maldito Calendário do futebol brasileiro. O sistema é pernicioso e prejudicial para os clubes.

Um exemplo bem recente afetou o nosso estado com a eliminação de três clubes da Série C, Salgueiro na fase de grupos, sendo inclusive rebaixado para a D, Santa Cruz e Náutico nas quartas de final, e que irão hibernar por 90 dias sem jogos, e sem recursos para as suas manutenções.

Como esses existem centenas de agremiações dormindo em algumas cavernas.

Como o futebol do Brasil poderá evoluir quando a própria entidade que o administra o está destruindo? A legislação esportiva determina que o ano futebolística tem que ter 10 meses de atividades para os clubes. Tal Lei ficou no papel e não é obedecida.

O nosso calendário segue na contramão da história, sendo o inverso do europeu, e de alguns países Sul-Americanos. Esse modelo permite a paralização dos jogos nas datas FIFA, para que sejam evitados prejuízos para os times.

O Brasileirinho está em pleno andamento, já na sua segunda fase, e os clubes terão que disponibilizar atletas para que possam atender a seleção circense. Um grande retrocesso.

Um modelo idiota, feito por apedeutas de carteirinhas.

Sabemos que a emissora de televisão que monopoliza os direitos de transmissão das diversas competições é contrária à adaptação do calendário nacional ao do mundo, para não complicar a sua grade de programação.

Ao ponto em que chegamos, o nosso futebol depender de uma grade, quando deveria haver grades para colocar muita gente que nele convive e que mereciam estar por trás dessas.

Com o calendário de forma universal as datas seria iguais, só os meses diferentes, e com isso não teríamos choque de competições, que obriga aos clubes a utilizarem times alternativos no campeonato maior do país, e em especial com os amistosos mequetrefes que só servem para encher as burras do Circo e dos agentes.

Não entendemos essa barreira, esse ódio à mudanças, desde que a universalidade de um calendário criaria mecanismos profundos para uma melhor temporada para jogos amistosos em diversos torneios no exterior, que fazem falta aos clubes, e em especial aos nossos atletas para o amadurecimento tão necessário na profissão.

O futebol brasileiro necessita distribuir de forma racional as suas datas, enxugando ou eliminando os falidos estaduais que poderiam ser substituídos por uma Série E regionalizada.

Lamentável é a passividades dos clubes que constituem a parte mais interessada na cadeia do futebol nacional, que ficam submissos a um comando sem credibilidade e que está enterrando o que resta desse esporte em nosso país.

As mídias também são omissas, e mesmo percebendo o que acontece enfiam as cabeças na terra como avestruzes humanos.

Ou mudamos ou vamos continuar aplaudindo a autofagia de um calendário que abandona clubes no meio do caminho, e ouvido o choro das carpideiras em torno de um leite derramado.

Obvio que não somos uma Ilha para ficarmos isolados no futebol mundial, como se fossemos os únicos inteligentes do mundo.

Lamentável!

A angústia de tricolores e alvirrubros neste Domingo!!

PELO BLOG DE JJ

Santa Cruz e Náutico jogam na tarde de hoje os seus destinos na Série C, como também para toda o resto da temporada.

O tricolor jogará como visitante na cidade de Ponta Grossa, Paraná, contra o Operário Ferroviário, com vantagem no placar agregado de 1×0, enquanto o alvirrubro estará recebendo na Arena Pernambuco o Bragantino, com a desvantagem de dois gols.

Os torcedores dos dois times ficarão angustiados até o final desses jogos.

Na verdade sentimos de perto o que representa uma partida que leva ao acesso.

Em 1990 na Série B quando dirigíamos o futebol do Sport, tivemos um encontro decisivo contra o Guarani quando jogávamos pelo empate. O Bugre saiu à frente, e a angústia aumentou por estarmos perdendo a chance de voltar para a Série A. Um empate salvador resolveu o assunto. O time não exasperou-se.

Sabemos bem o que estão sentindo os dirigentes desses clubes como os seus torcedores.

O jornalista Claudemir Gomes, na última quinta-feira nos fez uma pergunta pertinente: se os mandantes ganharam os quatro jogos que foram realizados quando da ida, esse fato poderia ser repetido nos encontros da volta com os outros donos dos mandos?

Com relação as probabilidades isso poderia acontecer, desde que nos 184 jogos dessa divisão, os mandantes venceram 100 (54,34%), os visitantes apenas 36 (19,57%) e 48 empates (26,09%).

A repetição questionada não é impossível de ser concretizada, mas algo embutido no modelo da competição poderá influenciar, e que um mandante vencedor tem chances de ser eliminado, desde que os resultados não superem os dos jogos anteriores.

O Operário para continuar na competição terá que derrotar o Santa Cruz no mínimo por 2×0. O mesmo acontece com o Botafogo-PB no seu encontro contra o Botafogo-SP. Ambos jogam pelo empate.

Por sua vez o Náutico terá a obrigação de terminar o seu jogo com uma vitória por 3×0 contra o Bragantino, e o mesmo dar-se-á com o Atlético Acreano no seu encontro contra o Cuiabá.

A situação não é tão fácil, mas para os que levam a vantagem o mais importante é o de jogar de forma inteligente para que possa manter a diferença existente, sem retranca exagerada, esperando os erros dos adversários.

Náutico e Atlético Acreano terão que buscar as suas vitórias, sem açodamento, jogando com aplicação, desde que os rivais virão com um ônibus articulado.

Os destinos de todos estarão nas mãos dos Deuses do Futebol, sendo que pelos sites de probabilidades os favoritos são os quatro clubes do Grupo B, Operário, Botafogo-SP, Bragantino e Cuiabá.

Preferimos esperar o apito final de cada jogo.

O Sport ressuscitador, o Náutico no cavalo paraguaio e o primeiro passo do Santa Cruz!

PELO BLOG DE JJ

O Sport tem a síndrome do ressuscitador. Quando um time está na padra uma visita do Leão o traz de volta à vida.

Ontem na Vila Belmiro mais uma derrota, desta vez acachapante pelo placar de 3×0, que deveria ter sido de 4×0 por conta de um gol legitimo de Gabriel que foi anulado pelo auxiliar, aceito pelo árbitro do Coronel, Dewson de Freitas.

Apesar do placar o jogo foi uma tragédia grega onde todos morrem no fim, vencidos e vencedores.

O time santista é ruim, mal organizado, mas encontrou o pior time da história do futebol do rubro-negro da Ilha do Retiro. Magrão é o único que sobra de um elenco que deveria ser vendido por R$ 1,00 em um site de compras.

A defesa do Sport é grotesca, leva gols banais por falta de marcação, o meio de campo não existe e o ataque é ridículo. De tanto correr atrás da bola, Hernane Brocador, caiu com câimbra.

Eduardo Baptista que brinca de ser treinador, é aquele que foi sem nunca ter sido, resolveu mudar deixando Felipe Bastos no banco de reservas, que apesar de ser fraquinho, é bem melhor do que Ferreira, a maior descoberta de Arnaldo Barros, que de gestão de clube entende tanto, como nós sabemos de energia nuclear.

Quando o time mostrava alguma melhora por conta da mediocridade santista, Rogério que corre olhando para o chão como um touro, pediu para ser expulso.

Do outro lado o comandante Cuca que pode ser mestre de cozinha, mas para técnico de futebol falta muito, deixou Rodrygo no banco, e esse só entrou em campo por conta da torcida. A sua presença virou o jogo, inclusive marcando o segundo gol.

Após o fim da rodada com os jogos de hoje, certamente o velho Leão estará na zona da degola de onde não sairá até o fim da competição.

Lamentável, o Sport não merece uma diretoria como essa.

– O CAVALO PARAGUAIO E O NÁUTICO

* O Náutico complicou a sua vida por conta da derrota de 3×1 para o Bragantino, no primeiro jogo do mata-mata que irá definir os quatro clubes que terão o acesso para a Série B Nacional.

O placar foi injusto para o time da casa que mandou no primeiro tempo e perdeu muitas oportunidades. O alvirrubro foi um time insosso, amorfo, sem a menor iniciativa. A defesa tremia com a bola aérea, e essa entrava na sua meta. Jogou pouco futebol, diferente de alguns jogos na fase de grupo.

No segundo tempo o Náutico melhorou um pouco, marcou o seu gol, que trouxe alguma esperança para o jogo de volta. Apesar da melhora o Bragantino perdeu duas chances de ampliar o marcador.

Obvio que a diferença de dois gols pode ser tirada, mas se a equipe de Bragança Paulista atuar como o fez ontem, será difícil para o alvirrubro reverter o resultado.

Esse corre o risco de ter nadado muito e no final morrer na praia.

Será que montou um belo cavalo paraguaio?

– O PRIMEIRO PASSO DO SANTA CRUZ

* O primeiro passo do Santa Cruz para obter o acesso à Série B tem o seu inicio na tarde de hoje no Arruda, quando irá receber a visita do Operário de Ponta Grossa, Paraná.

Na verdade uma pedreira já que esse time embora tenha se colocado em segundo lugar no seu grupo com a mesma pontuação do primeiro, foi sem duvida o mais destacado dessa primeira fase.

O tricolor necessita de uma vitória, mas para consegui-la terá que ter muita cautela em seu jogo, desde que o Fantasma como visitante tem um bom aproveitamento. Uma conquista com qualquer placar será uma boa garantia para o jogo de volta na casa do adversário.

O Santa Cruz terminou na 3ª colocação no Grupo A, com 28 pontos, 7 vitórias, 7 empates e 4 derrotas, com um aproveitamento de 52%.

Enquanto isso Operário ficou na 2ª colocação no Grupo B, com 35 pontos, 10 vitórias, 5 empates e 3 derrotas, (65%).

Nas últimas cinco rodadas, a equipe Coral somou 8 pontos dos 15 disputados (53,3%), enquanto o Fantasma obteve 6, (40%), inferior ao do rival.

Como mandante o tricolor do Arruda conseguiu 17 pontos, com um aproveitamento de 62%, enquanto isso, a equipe de Ponta Grossa conquistou como visitante 14 pontos, aproveitamento de 51%, que é excelente.

Os sites de probabilidades apontam o Operário como favorito, mas o Santa Cruz tem todas as condições de obter um bom resultado. Para que isso aconteça o primordial é a vontade de jogar.

O Líder diante do Sport.

PELO BLOG DE JJ

O Sport irá enfrentar na tarde de hoje na Ilha do Retiro, o São Paulo, líder do Brasileirinho, com apenas 22% de chances de uma vitória, o que é bem obvio por conta da sua péssima campanha, e a excelente do adversário. Todos os ingressos que foram colocados à disposição da equipe paulista se esgotaram.

Mais uma vez a cabeça de Claudinei Oliveira estará à premio, como é normal em nosso futebol onde o técnico é sempre o culpado.

O tricolor do bairro do Morumbi está na 1ª colocação, com 35 pontos, 10 vitórias, 5 empates e 2 derrotas, aproveitamento de 69%.

Enquanto isso, o rubro-negro da Ilha é o 13º colocado, 20 pontos, 5 vitórias, 5 empates, 7 derrotas, aproveitamento de 39%.

Nos últimos 5 jogos, o Sport somou 1 ponto entre os 15 disputados ( 6,6%), enquanto o São Paulo obteve 12 pontos (80%).

Com relação as ultimas 10 rodadas, o time da Ilha do Retiro totalizou 9 pontos dos 30 disputados (30%), e a equipe paulista somou 22 (73,3).

Como mandante o Sport em 8 jogos conquistou 16 pontos (54,1%), e o São Paulo obteve 15 em 9 jogos como visitante (55%).

Os dados traduzem a diferença técnica dos dois clubes, e dão um favoritismo total ao time paulista. No momento esse tem 49% de chances para a conquista do título, e o adversário com os mesmos 49% para o rebaixamento.

Uma montanha que o Sport terá que ultrapassar.

– O PRIMEIRO LUGAR DO NÁUTICO

* A metamorfose do Náutico deve ser bem estudada pelos analistas do futebol.

O time passou um longo tempo no inferno, e como em um passe de mágica deu uma reviravolta, conseguindo alcançar o paraíso, e na liderança do seu grupo. Derrubou todos os prognósticos.

Jogou ontem contra o Remo no Mangueirão, em Belém, e saiu com um empate de 1×1, poupando alguns jogadores. O time paraense saiu à frente e o alvirrubro empatou. O futebol que foi jogado não tem muito a se comentar.

No Arruda o Santa Cruz sofreu para vencer o rebaixado Salgueiro pelo placar de 1×0, numa pelada das antigas várzeas. Por conta dessa vitória ficou em terceiro lugar do grupo, desde que o Atlético Acreano resolveu ressuscitar no final de jogo contra o ABC, mesmo com 10 jogadores, obtendo no seu final o único gol que garantiu-lhe a segunda colocação.

Em João Pessoa, o Botafogo-PB deu um vexame ao empatar com o rebaixado Juazeirense por 2×2, com um jogo equilibrado e o placar justo. Mesmo assim garantiu a 4ª colocação.

O Confiança que ainda sonhava com uma classificação entre os quatro melhores, mesmo jogando em casa, não passou do 0x0 contra o Globo, o rei dos empates, que escapou da degola.

Na fase de mata-mata o Náutico irá enfrentar o Bragantino, 4º lugar da Grupo B, com boas chances de sucesso desde que joga a segunda partida em casa.

O Santa Cruz terá uma pedreira pela frente, jogando a segunda partida longe do Arruda contra o Operário Ferroviário de Ponta Grossa, Paraná, melhor time da competição, embora tenha chegado em segundo lugar do grupo com a mesma pontuação do primeiro.

Perdeu o seu último jogo contra o Luverdense por 1×0, com um time alternativo.

O Botafogo-PB terá uma montanha pela frente, o Botafogo-SP, que certamente sairá das duas disputas com o acesso garantido.

O Atlético Acreano que foi a novidade no começo da competição, irá enfrentar o Cuiabá, um adversário que fez uma boa campanha em seu grupo, terminando com 32 pontos.

Terá muitas dificuldades para supera-lo, a não ser que retorne aos seus bons momentos.

– O CARNEIRÃO EM ESTADO DE MISÉRIA

* A Primeira Divisão do futebol pernambucano não é grande coisa, e a Segunda é de se ter piedade.

A maioria dos estádios que irão abrigar os seus jogos não tem a menor condição de sediar um torneio profissional. São precários.

Ontem o atento jornalista Claudemir Gomes nos remeteu uma foto do estádio Carneirão, em Vitória de Santo Antão, que na realidade nos chocou.

Anos atrás acompanhamos os melhoramentos que foram feitos no local, que o deixaram com boas condições para abrigar os clubes da cidade em jogos oficiais.

Um espaço com boa capacidade de publico, o segundo maior do interior, com bons vestiários, sanitários, tudo que era exigido nas vistorias realizadas.

Oito anos após nos deparamos com o abandono, cercado por um matagal, que impediu a presença do Vera Cruz de jogar em sua cidade, e por conta disso irá utilizar o Gonzagão, em Feira Nova, que também é precário, mas pelo menos bem cuidado.

Sabemos que a situação da cidade de Vitória do Santo Antão não é fácil, como as demais, mas deixar um bom estádio, palco de boas jornadas que consagraram a cidade, no estado em que se encontra é lamentável.

Por conta disso é que o nosso futebol agoniza.

O futebol do Sport é um filme de humor!!

PELO BLOG DE JJ

O futebol do Sport é um filme de humor.

O time parece que está atuando numa comédia do tipo pastelão.

Carlos Henrique é aquele personagem do filme que recebe o bolo na cara para risos dos torcedores. Fez o gol do empate, mas de futebol ele não joga nada.

Há tempo que não vimos no rubro-negro um time tão ruim.

O empate no jogo de ontem contra a Chapecoense saiu pelo foceps no minuto final da partida. Foi tanta bola alçada na área que no fim uma vingou.

Esteve perto de ressuscitar mais um morto, que é a sua síndrome.

Vamos e venhamos, o time catarinense não obteve uma única vitória jogando fora de casa, e a equipe da Ilha do Retiro só empatou com esse na bacia das almas, e só não foi derrotada por conta de duas defesas de Magrão que salvou a pátria.

O jogo não merece ser analisado, posto que não aconteceu.

Com esse empate o Sport completou sete partidas sem vitória e pelo futebol pequeno que está jogando irá continuar até o final.

Pelo menos serve para nos divertimos por conta do humor que faz parte do seu jogo.

Pobre Leão, está sendo massacrado por uma diretoria incompetente, e que já deveria pegar o boné e ir embora antes que seja destruído o resto que ainda existe.

– A DESOVA NO FUTEBOL BRASILEIRO

* Os frutos ainda estão verdes no terreno do nosso futebol, mas são colhidos prematuramente.

Isso acontece com os novos talentos, que ao desabrocharem pegam um avião com destino ao Velho Continente.

Não existe no dia de hoje uma aplicação financeira com um retorno tão gigantesco como as negociações de jogadores.

Os clubes brasileiros os vendem à preço de banana, com algumas exceções. Um a dois anos após esses são revendidos para um grande clube com valor triplicado.

Os jornalistas Alberto Nogueira e Eduardo Gerarque, do jornal Folha de São Pulo nos deram um exemplo sobre esse modus operandi com relação ao atleta Malcom que foi negociado nessa última janela de transferências pelo Bordeaux (França) para o Barcelona, com o valor de 41 milhões de euros. Dois anos antes o time francês pagou ao Corinthians 5,2 milhões de euros, ou seja uma valorização de 688%.

O Shakhtar Donetsk da Ucrânia é o maior comprador, e como conta com uma convocação do jogador para a seleção do Circo, o lucro é ilimitado. Fred foi negociado pelo Internacional para esse clube por R$ 68,07 milhões em 2013, e o Manchester United pagou após a sua convocação para a última Copa do Mundo, R$ 259,11 milhões.

Nessa última janela de transferência saíram do Brasil vários talentos promissores, como Marquinhos Cipriano, São Paulo (Shakhtar), Fernando, Palmeiras (Shakhtar), Edson Militão, São Paulo (Porto), Maycon, Corinthians (Shakhtar). Todos com valores baixos.

Outros três tiveram altos valores, como Paulinho, Vasco (Borussia Leverkusen), Arthur, Grêmio, (Barcelona) e Vinicius Junior, Flamengo (Real Madrid).

São anéis de ouro que se vão, deixando apenas os dedos, e com os gramados sem bons jogadores.

O futebol brasileiro é vendedor de boa matéria prima.

Atropelaram o Leão!!

PELO BLOG DE JJ

Os 113 anos do Velho Leão da Ilha não estão sendo respeitados. Virou saco de pancadas no Brasileirinho.

Quatro rodadas nos jogos pós Copa, quatro derrotas, ou seja zero ponto nesse período.

Obvio que para aqueles que acompanham a vida do Sport, a goleada de 4×1 dada pelo Flamengo na tarde de ontem não foi novidade, desde que as diferenças técnicas entre os dois clubes tem a distancia que vai do planeta Marte ao planeta Terra.

Na verdade o rubro-negro de Pernambuco está atravessando um dos seus piores momentos, graças a uma gestão atabalhoada que está levando-o ao fundo do poço.

Não existem perspectivas de melhoras no futuro próximo, desde que os seus graves problemas financeiros não permitem que sejam feitas contratações de qualidade.

O time da Gávea foi dono do jogo, abriu o placar através de uma lambança coletiva da defesa do adversário. Deixou por bondade o Sport empatar, e com 5 minutos do segundo tempo o placar já estava 3×1, sendo aumentado com mais um gol.

A defesa do Sport do goleiro ao lateral esquerdo fizeram de tudo para a vitória do Urubu. O meio de campo não fez nada, e o ataque continua cardíaco.

As substituições foram do nada para o nada.

Entrou um jogador chamado Ferreira que não conhecíamos.

Procuramos saber a sua origem e fomos informados que já estava no clube por um bom tempo e que tinha vindo do São Bernardo-SP.

Quem contrata na Ilha do Retiro pode entender de outra coisa, menos de futebol. Mais uma vez Carlos Henrique entra no segundo tempo, e não faz nada senão trombar com a defesa adversária.

Não adianta chorar pois a realidade é essa, e o torcedor rubro-negro vai ter que rezar até o final da competição para que o time não seja degolado.

Serão duas vagas que estarão abertas para recebe-lo, desde que dificilmente o Paraná e o Ceará escaparão do fogo do inferno.

Como o blog tinha previsto na postagem de ontem, a tarde foi de sofrência para os torcedores rubro-negros.

Pobre Leão da Ilha, não merece o tratamento que está recebendo.

Um Sábado importante para Náutico e Santa Cruz

PELO BLOG DE JJ

A 15ª rodada da Série C será iniciada nesse sábado com jogos dos times de Pernambuco, cujas vitórias serão importantes na reta final da competição.

O Náutico receberá a visita do Juazeirense-BA e a conquista dos três pontos praticamente irá garantir-lhe a vaga no G4 final.

O alvirrubro no returno saiu da zona da degola para a vice-liderança numa campanha que poucos esperavam que poderia acontecer.

Na tabela da classificação tem 23 pontos, 7 vitórias, 2 empates e 5 derrotas, aproveitamento de 55%. Como mandante tem um aproveitamento de 76%, 5 vitórias, 1 empate e 1 derrota.

Por outro lado, o time baiano está em 8º lugar, com 16 pontos, 4 vitórias, 4 empates e 6 derrotas, aproveitamento de 38%. Como visitante, somou apenas 2 pontos, e foi derrotado por cinco vezes. Não tem uma única vitória.

Sem menosprezar o adversário, obvio que o Náutico é favorito.

Logo após será a vez do Santa Cruz, cujo adversário é mais difícil, o Botafogo-PB que é um bom mandante.

O tricolor é o 3º colocado, com 21 pontos conquistados, 5 vitórias, 6 empates e 3 derrotas, com 50% de aproveitamento. Como visitante tem uma boa campanha, somando 10 pontos, aproveitamento de 47%.

Enquanto isso o Belo paraibano, é o 6º colocado, com 18 pontos, 4 vitórias, 6 empates e 4 derrotas, aproveitamento de 43%. Como mandante conquistou 11 pontos, com um aproveitamento de 61%.

Na realidade um confronto direto, e uma vitória do tricolor será o passo importante para a sua classificação.

– TREINADOR NEGRO NÃO TEM CHANCE NO FUTEBOL DO BRASIL

* Durante a Copa do Mundo da Rússia o único técnico negro era Aliuou Cisse, da seleção do Senegal. Nos demais times africanos os seus comandantes eram brancos e europeus.

No Brasil o único técnico negro que comandou a seleção do Circo foi Gentil Cardoso em cinco jogos no ano de 1959, no Sul-Americano do Equador, e assim mesmo era composta pelos atletas do futebol de nosso estado.

Na Série A Nacional nenhum dos vinte clubes tem um treinador negro no seu banco. Tem cheiro de racismo. Todos os profissionais negros estão desempregados.

Lula Pereira que foi zagueiro do Sport, trabalhou em vários clubes inclusive o Flamengo, mas está esquecido desde 2012. Andrade campeão brasileiro dirigindo o Flamengo, depois disso dirigiu alguns clubes pequenos e desapareceu.

O mais emblemático é Cristovão Borges que dirigiu grandes clubes do Brasil, e hoje faz parte dos milhões de desempregados. O mais estranho é que as vagas são abertas, e os nomes desses treinadores não são citados.

O Botafogo foi buscar um treinador que estava fora do Brasil há 14 anos, e não comentou nenhuma vez o nome de Borges.

São coisas de um futebol que exala um cheiro ruim de uma situação de racismo nesse setor.

– A JANELA DE TRANSFERÊNCIAS NO FUTEBOL BRASILEIRO

* As transferências de jogadores do Brasil para o exterior renderam R$ 161 milhões para o futebol brasileiro de acordo com um estudo inédito do Circo do Futebol.

Conhecido como janela, esse período começou no dia 2 e termina em 31 de agosto. Até quarta-feira, foram 74 negociações. Destas apenas 12 envolveram valores- Os demais se transferiram sem necessidade de pagamento, pois seus contratos estavam encerrados.

Já no caminho inverso, ou seja jogadores de fora vindo para o Brasil, a janela começou na segunda e termina no dia 15 de agosto. Apenas no primeiro dia, 50 jogadores entraram no mercado nacional, sendo que apenas quatro envolveram valores.

O total dos investimentos dos clubes brasileiros chegou a R$ 44,7 milhões. O que mais impressiona é que dos jogadores transferidos para fora do país (72), 62 saíram de forma livre sem ônus.

* Fonte: Blog de Lauro Jardim.

A Vitória do coletivo…

PELO BLOG DE JJ

A Copa do Mundo realizada na Rússia foi encerrada ontem com um grande legado, o da vitória do coletivo contra o individual.

O Bloco do Eu Sozinho deu o adeus para dar o seu lugar ao futebol de todos.

Nos lembramos das manchetes publicadas em nosso país afirmando que essa Copa seria de Neymar. Erraram feio como sempre, o craque sumiu e foi substituído pelos ¨Maravilhosos Negros da França¨, que tem um jogador excepcional em seu elenco, Mbappé, que atua no conjunto e não para si.

Não temos duvida que essa Copa foi a melhor de todos os tempos, pela sua organização, por mostrar a cara da Rússia e de suas belas cidades, e sobretudo por iniciar uma nova era do futebol, a de todos e não apenas de um personagem.

Temos uma convicção firmada que a melhor seleção foi a da Bélgica, sem duvida um colírio para os olhos, mas a França fez por merecer por ter um time bem equilibrado, jovem e com alto nível.

Sete desses jogadores foram formados no extraordinário Centro de Treinamento Clairefontaine, que é hoje uma das instalações mais sofisticadas e completas de uma federação de futebol nacional pode possuir.

Esse teve um papel fundamental no processo de formação dos Blues.

O jogo final foi de seis gols, com a vitória francesa por 4×2 frente a um brilhante adversário que pelo novo sistema, um país de um pouco mais de 4 milhões de habitantes conseguiu chegar a um patamar mais alto, como vice-campeão.

Teve até apito amigo.

A Europa conquistou o seu quarto título sucessivo, e irá continuar seguindo o mesmo caminho, desde que os outros Continentes estão muito longe de sua realidade.

Quanto ao Brasil, enquanto o país não se livrar da cartolagem que manobra o futebol nacional, não existe nenhuma esperança de uma melhora.

O trabalho de formação europeu está cem anos à frente do nosso, e isso reflete no produto final.

Fim de Copa, e o retorno de nossas competições sofríveis, mas é o que temos.

O olhar de Paulo Cesar Caju sobre o técnico Tite

PELO BLOG DE JJ

* Paulo Cesar Caju não tem papa na língua, e quando abre o verbo é para arrasar.

A sua analise sobre a seleção e sobretudo com relação ao técnico Tite é um verdadeiro torpedo.

Segundo o ex-jogador, sua técnica de autoajuda não melhorou em nada, por exemplo, o lado psicológico de Neymar, que até o último minuto tentou ludibriar o árbitro com suas quedas. O Tite psicólogo falhou.

Como uma seleção pode chegar no ponto alto da Copa com tantos jogadores em frangalhos, contundidos? O Tite departamento médico falhou.

Como uma seleção consegue dar 50 passes errados em um jogo tão importante? O Tite fundamentos falhou.

Como uma seleção não tem uma jogada ensaiada, um contra-ataque mortífero, um toque de bola envolvente e coloca o centroavante para marcar como um cabeça de área? O Tite técnico falhou.

Como olhar para o banco de reservas e ver Fernandinho, Renato Augusto e Firmino como as alternativas? O Tite convocação falhou.

A verdade é que o ¨genial¨ Tite falhou além da conta, mas a imprensa continua passando a mão na sua cabeça, e a CBF já garantiu a sua permanência, a do filho, do papagaio até o ano 3000.

Foi a melhor analise sobre o treinador que ia ser campeão do Mundo e falhou.

  • RENATO PORTALUPPI NA SELEÇÃO?

* As mídias sulistas estão fazendo lobby para que Renato Portaluppi seja o técnico da seleção do Circo caso Tite não aceite continuar.

Na realidade o futebol brasileiro não aguenta mais a escola gaúcha de treinadores na sua seleção.

No período de 2002 a 2018, somente em 2006 o técnico não foi do Rio Grande do Sul, no caso Carlos Alberto Parreira.

Em 2010 tivemos Dunga. Caiu com a perda do Mundial.

Foi substituído por Mano Menezes, que não vingou, dando o cargo de volta para Scolari em 2014, o resultado foi o 7×1 da Alemanha.

Em 2018 foi a vez de Tite, e todos vimos no que deu.

Em 16 anos quatro técnicos gaúchos estiveram à frente da seleção, e enterraram a forma antiga de se jogar.

Mais um técnico dos Pampas seria algo destruidor.

Os 25 anos sem títulos da Argentina em competições oficiais!

PELO BLOG DE JJ

A situação atual da seleção Argentina é o reflexo de 25 anos sem conquistas.

O time portenho desde 1994 não ganha um torneio oficial.

Nesse período disputou sete Copas do Mundo (1994, 1998, 2002, 2006, 2010, 2014 e 2018).

Duas Copas das Confederações (1995 e 2005).

Sete Copas América (1995, 1998, 2003, 2007, 2011, 2015, 2016 (Bi-Centenário dos Estados Unidos).

O último troféu oficial foi o da Copa América de 1993.

São números que podem ajudar os analistas a entenderem os problemas do time vizinho.

O jejum é grande.

– A VIRADA ÉPICA DA BÉLGICA

* O Japão quase que desmontava os nossos prognósticos para a final da Copa do Mundo com a Bélgica.

Em um dia primoroso, a seleção japonesa começou dando um baile na seleção Belga.

Os japoneses tentaram surpreender nos primeiros quinze minutos da fase inicial, pressionando o adversário e chegando com perigo à sua área.

A Bélgica só chegou uma vez aos 20 minutos na área adversária. Daí em diante o jogo ficou equilibrado.

Os primeiros vinte minutos do segundo tempo foram da Seleção do Japão. Em quatro minutos marcou dois gols. O primeiro deixou o adversário estonteado, sem acreditar no que estava vendo.

Depois do 2×0 a seleção Belga parou em campo não sabendo o que fazer. Mas a frieza de seus jogadores, e com a ajuda dos Deuses do Futebol, Vertonguen tentou cruzar de cabeça e a bola caiu sem querer no gol japonês.

Dai em diante sob o comando de Hazard, e graças a um cruzamento desse, de cabeça Fellaini empatou.

No minuto final em um escanteio batido pela equipe do Japão, a bola caiu nas mãos do goleiro Courtois, que a entregou rápido para De Bruyne, que fez um cruzamento certeiro para a área, e com direito a uma deixada de Lukalu a bola caiu nos pés de Chaddi, que fez o gol salvador e barrou a prorrogação que já estava programada.

Um jogo sensacional, com o Japão fazendo a melhor partida de sua história, e uma Bélgica mostrando a sua capacidade de reação por conta dos talentos que formam o seu time.

Desde a Copa de 1970, um 2×0 em um mata-mata foi modificado, e finalmente a equipe belga conseguiu passar para as quartas de final, quando irá enfrentar o Circo.

Go to Top